13 de setembro de 2013

Tudo pode acontecer

Pediram-me para escrever uma história de amor, mas vou me reservar a falar sobre as reviravoltas que o mundo dá. Até porque, há muito do amor nisso; é preciso muito mais que maturidade e discernimento para compreender que as coisas nem sempre acontecem conforme a nossa vontade.
Dizem que ao sairmos de uma tempestade enxergamos o mundo com mais clareza. É verdade. É como se deixássemos de ser apenas personagens e passássemos a ser também expectadores da nossa própria existência.
O nosso olhar toma maiores proporções e tudo o que antes parecia confuso e descabido, ao ser olhado por todos os ângulos, passa a fazer sentido. Foi assim comigo e acredito que seja com o mundo inteiro.
Tenho aprendido muito nesses últimos meses, principalmente a saber esperar; a dar tempo ao tempo. Aprendi que há momentos em que precisamos cruzar os braços e deixar que a vida tome as suas próprias direções.
Aprendi a confiar na máxima de que “o que tiver que ser, será!”
Não é fácil, para quem está acostumada a matar um leão por dia, reconhecer que não se tem o controle sobre tudo. Nem mesmo sobre a própria vida. E foi neste momento, quando me senti mais frágil e vulnerável, que aprendi a confiar; aprendi a acreditar que não há nada que eu queira, que eu não possa conseguir. Acho que é isso que as pessoas chamam de FÉ. E se for, posso dizer que me descobri como uma pessoa de muita fé! O suficiente para transformar o que antes era impossível em uma nova possibilidade; a única e a última esperança!
E, exatamente como costuma acontecer na ficção, no último instante, quando todas as esperanças e tentativas já estavam esgotadas, a vida se refaz em forma de milagre. E onde antes só se via tempestos tons de cinza, hoje só existe cor, luz e felicidade.
É possível que uma parte de vocês ainda não consigam me compreender. Infelizmente, este é o tipo de experiência que só se reconhece ao sentir na própria pele. Para aqueles que já estiveram na escuridão e que, mesmo no breu, confiaram na existência da luz, ofereço o meu respeito e a minha admiração.
E para vocês, que por ventura encontram-se perdidos no meio deste turbilhão de impossibilidades, desejo que descubram em si mesmos a mesma fé que descobri em mim. Acredite, ela está aí! Talvez precisando apenas de um bom motivo para existir.
Há uma razão para dizerem que “após a tempestade SEMPRE existirá a bonança”.
E mais...
...acreditem em mim quando eu disser que TUDO PODE ACONTECER.


Um comentário:

  1. Escrevo para ti...Sabes que é para ti...
    Os nomes não têm cor
    São simples diagramas em conflito
    Os nomes são muda sinfonia de sonata em desamor

    Serei um barco vencendo rotas novas
    Aplanarei as rugas de todas as montanhas
    Vai arder novamente este sofrido coração
    Hoje tive vontade de pintar uma oração


    Terno beijo

    ResponderExcluir